Visitas íntimas?

Cá estou a acompanhar, atônita, as notícias sobre meu Estado natal, o Rio de Janeiro: que está de joelhos frente aos ataques de bandidos descontrolados que deitam e rolam graças aos anos de descaso público, isso não é novidade. Tampouco é novidade que as favelas – glamourizadas pelos “intelectuais” e “artistas” de esquerda – são redutos promissores da bandidagem já que nascem da marginalidade: ocupações ilegais de terras públicas. Há bandidos nas mais ricas ruas e nos mais caros apartamentos do Brasil? Há sim, óbvio. Mas comparais os números de melindrantes nascidos nesses berços esplêndidos e os nascidos nos berços obscuros das vielas das favelas e vereis. E digo-vos que esse fenômeno não é causado pelas desigualdades econômicas, como costumam vomitar os esquerdistas e autoproclamados “libertários”. Essa é uma questão de formação mesmo: formação moral, intelectual, humana… e formação independe de poder econômico. Bom, mas se quereis prova cabal do absurdo da existência das favelas veja se os bandidos da Vieira Souto queimam coletivos com pessoas inocentes dentro. “Ah, mas e os riquinhos que queimaram o índio em Brasília?”, podeis inquirir. Respondo-vos: a exceção não invalida a regra.

 

Pois bem. Eu lia os noticiários e entre um e outro me deparei com a declaração do Secretário de Segurança do Rio de Janeiro. Conforme o senhor José Mariano Beltrame as ordens para os ataques partiram dos presídios de segurança [supostamente] máxima onde estão os chefões do tráfico carioca. Isso também não é novidade. A pergunta de um milhão de dólares é: como marginais encerrados em presídios de segurança [supostamente] máxima conseguem enviar ordens para as favelas cariocas? Não vou entrar no mérito das vias ilegais que esses homens encontram para entrar em contato com seus lacaios, vou me ater às vias plenamente legais: visitas.

 

Caríssimas e caríssimos, acreditais que as pessoas que visitam os bandidos nos presídios falam apenas do dente podre do herdeiro do marginal que teve de ser extraído na semana passada? Ou da infidelidade do tio Tião descoberta pela tia Cleide? Óbvio que não! É mediante essas visitas que homens como Elias Maluco, Fernandinho Beira-Mar e seus iguais transmitem ordens para seus séquitos! E essa via de comunicação é ainda mais aberta durante as visitas íntimas, quando bandidos e suas senhoras ficam a sós a fornicar, a reproduzir outros rebentos e a conversar sobre as intempéries do “morro”. São pelas visitas legais que bandidos dão suas ordens ilegais que espalham terror e pânico pelo Rio de Janeiro. Se esses canalhas só enviassem ordens ilegais por caminhos ilegais já seria absurdo, agora, o fato d’eles disporem de mecanismos legais para fazer isso é inadmissível! É um ultraje! Um cuspe na face dos cidadãos e das cidadãs descentes que têm suas vidas ameaçadas pela completa imbecilidade dos senhores e senhoras do Estado.

 

Aqueles que ameaçam a vida de uma única pessoa inocente já não deve ter direito moral de dispor de todos os seus direitos civis, menos ainda aqueles que ameaçam a vida de milhares. Insisto, o direito de um marginal não pode se sobrepor à segurança da maioria, pois o direito humano mais fundamental é a vida e quando esta é ameaçada por um terceiro esse terceiro deve ser completamente isolado de modo a não tolher o mais básico direito da maioria. Desta maneira é imperativa a abolição das visitas sem monitoramento, sobretudo as visitas íntimas. Enquanto as leis penais continuarem a privilegiar bandidos, a população honesta desse país continuará refém. Não quero dizer com isso que só a mudança do código penal vai salvar o Brasil da bandidagem, mas devemos começar com o aumento do rigor dos mecanismos punitivos para reforçar a autoridade do Estado, pois a audácia dos bandidos é diretamente proporcional à fragilidade estatal.

Anúncios
  1. No trackbacks yet.

Seus comentários são muito importantes! Deixe sua opinião!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: