Posts Tagged ‘ Comissão da Verdade ’

A comissão da verdade

Com todas as falhas, com todos os percalços, oriundos sobretudo da incompetência de nossos legisladores, as leis existem para garantir que o Estado cumpra seu papel principal: proteger seus cidadãos. Todos eles, independente dos crimes que fazem deles réus. Todo cidadão tem o direito à defesa, tem o direito de que os casos que os envolvam sejam investigados com cuidado. Digo isso para enfatizar que sou absolutamente contra a “justiça com as próprias mãos”. E não sou contra apenas por questões teóricas.

Já vi tribunais popularescos em ação.

Quando eu era moleca estava brincando na casa de uma amiga, nossas famílias se conheciam e como nossas mães não gostavam que ficássemos na rua sempre brincávamos ou na casa dela ou na minha. Morávamos bem pertinho uma da outra e quando deu a hora que minha mãe determinou para que eu voltasse para casa me preparei para sair quando fui impedida ou pelo pai ou pela mãe da minha amiga, não me lembro muito bem. Mas lembro porque me seguraram lá. Um homem acusado de estupro estava sendo linchado na rua que era exatamente o lugar que eu deveria passar para chegar à minha casa. Ouvi os gritos e a algazarra, tive que esperar até que o povo terminasse com aquele espetáculo dantesco. Depois houve silêncio e saí correndo para casa com medo de levar bronca da mãe por causa do atraso – minha mãe não admitia atrasos, se ela falasse que era para voltar para casa 16h era para estar dentro de casa exatamente nesse horário. Foi impossível deixar de ver o corpo do homem, nunca tive essa vontade sádica de olhar pessoas falecidas na rua, mas não teve como escapar da visão pois naquele momento a rua estava vazia e apenas o corpo jazia bem no meio. Logo depois da morte do homem as pessoas que participaram do linchamento saíram da cena do crime antes da chegada da polícia. No peito dele estava uma placa improvisada feita de papelão onde se lia “estuprador”. Apertei o passo para casa, não estava exatamente assustada com a cena, estava mais preocupada com a hora.

Era eu uma criança insensível? Não sei… mas não era a primeira vez que eu testemunhava a violência. Cresci num bairro violento na periferia da cidade do Rio de Janeiro. Já presenciei muita coisa e não gosto de relembrar, mas não me lamento. Tudo isso fez parte do processo da minha formação enquanto ser humano. E se há algo no qual eu acredito é na importância do direito a defesa, na importância do funcionamento efetivo dos três poderes do Estado agindo em harmonia e pautados nas leis fundamentadas em direitos, garantias e deveres coletivos e individuais. A massa popular ensandecida e descontrolada é capaz de crimes incomensuráveis, e mais monstruoso, passado o ato quem será o culpado? Quem será punido quando os atrozes chegam a centenas, milhares, milhões? Até hoje não sei se o homem assassinado naquela tarde era realmente culpado, mas poucos anos depois desse acontecimento apareceu um estuprador no bairro. Colaram cartazes com o retrato falado do sujeito na região e numa tarde um rapaz quase teve o mesmo destino do linchado. Confundiram-no com o estuprador e uma turba começou a agredi-lo, até que alguém surgiu e conseguiu convencer o populacho de que o moço era um trabalhador inocente, ele teve sorte. Isso eu não presenciei, a moça que fazia faxina na minha casa viu e me contou, mas por um bom tempo isso mexeu comigo, eu já era mais velha e já tinha uma leitura mais madura sobre minhas reações diante da violência.

E o que tudo isso tem a ver com a Comissão da Verdade que foi instaurada oficialmente ontem?

Ora, tendo ou não poder de punição, essa Comissão deve garantir o direito à defesa, pois punir vai muito além de encerrar alguém atrás das grades. Acusar alguém de ser um torturador covarde é grave e o mínimo que se espera de uma acusação dessa magnitude é que o suspeito possa se defender! Mesmo que ele não seja preso, imagine como será sua convivência com a família, amigos, vizinhos, com toda a comunidade onde ele vive?

E os efeitos dessa Comissão meio torta já se fazem sentir. Um grupo de moleques de todo o Brasil começou um movimento chamado “escracho” no qual vão para a porta das casas de supostos torturadores e sem que os acusados possam esboçar qualquer defesa fazem um estardalhaço, picham o chão da rua em frente à casa da pessoa, trazem cartazes que dizem “seu vizinho é um torturador” e coisas do tipo. É a “justiça” com as próprias mãos: irracional, animalesca, passional, criminosa…

No vídeo abaixo vemos um desses “escrachos” realizados contra o médico João Bosco Nacif da Silva. O senhor Nacif foi o legista que fez o laudo da necropsia de alguns mortos durante a ditadura. Como diz um próprio militante do tal do movimento “Levante da Juventude”, os resultados dos laudos ainda não estão bem explicados. Não estão bem explicados, preste a atenção! Não se sabe em quais circunstâncias o médico teve que liberar os laudos, não se sabe se ele sofreu ameaças, não se sabe… e mesmo assim os “justiceiros” foram à casa do homem executar a punição, sem que ele pudesse dar a sua versão dos fatos. Nacif, um senhor de idade avançada, reagiu com evidente desespero e sozinho enfrentou seus carrascos.

Deixo a pergunta para os jovens do “Levante da Juventude”: é assim que vocês querem justiça? Vocês que se dizem defensores dos direitos humanos realmente acham legítimo desrespeitar direitos humanos para supostamente promover direitos humanos? Não há uma contradição nessa história?

Anúncios

Uma Comissão da Verdade…de verdade!

A instauração da Comissão da Verdade que tem por objetivo investigar crimes cometidos nos porões da ditadura tem causado alvoroço. Os Clubes Militares lançaram uma nota de repúdio que contrariou o governo e foi retirada da internet. Entretanto o cabo de guerra continua. De um lado alguns militares contrários à Comissão da Verdade e o risco de um revanchismo. Do outro lado o governo e alguns grupos do auto-denominado “movimento social” a favor não só da comissão, mas também da revisão da lei da anistia que anistiou tanto militantes e guerrilheiros quanto agentes do Estado.

Pessoalmente sou favorável a Comissão da Verdade. O Brasil é o único país da América Latina que  criou mecanismos para apagar essa parte da sua história. Mas sou a favor de uma Comissão da Verdade… de verdade! Que seja isenta e investigue os dois lados.

As Forças Armadas Brasileiras de fato operaram um golpe de Estado, no dia 15 de Novembro de 1889 quando derrubaram a monarquia sem qualquer apoio popular e expulsaram a Família Real Brasileira na calada da noite com medo da reação popular. Em 1964 a coisa foi diferente, não por acaso a melhor qualificação do ocorrido naquele ano não é “Golpe Militar”, mas “civil militar”. As Forças Armadas em 1964 contaram com um significativo apoio civil para destituir Goulart da presidência e evitar uma guinada do Brasil para o socialismo. Goulart realmente levaria o Brasil para esse caminho? Não sei, isso é contrafactual e não costumo enveredar por esses campos.

Uma Comissão da Verdade que queria buscar a verdade sobre o que aconteceu entre 1964 e 1985 deve investigar também a participação considerável da população civil no teatro dos eventos que redundou na renúncia de Jango, e, portanto, não deve ignorar a incômoda pergunta: houve realmente um golpe de Estado? Há golpe de Estado quando existe amplo apoio civil à queda de um presidente?

Uma Comissão da Verdade deve considerar também que grupos armados de oposição ao governo surgiram não com vistas à restauração da democracia, mas sim a favor da derrubada de um governo que contava com apoio civil. Ainda, a dita “resistência” armada era formada por grupos radicais de esquerda que desejavam transformar o Brasil numa outra ditadura, mas dessa vez do “proletariado”. Quando esses ex-militantes estufam o peito para dizer que foram os defensores da democracia, mentem! E eles mataram, sequestraram, assaltaram e por isso devem ser alvo também da Comissão da Verdade, caso ela seja de verdade.

Quem defende uma Comissão da Verdade não deve temer a verdade, seja ela qual for. Penso que se essa comissão fosse de verdade não levantaria tantas suspeitas entre os Clubes Militares. Como bem disse o  Major-Brigadeiro-do-Ar Rui Moreira Lima, um homem de 92 anos veterano da II Guerra Mundial e que foi perseguido durante o governo militar:

“[…]quem fez isso (tortura e assassinato de militantes) não foi o Exército nem a Aeronáutica nem a Marinha. Foram sujeitos que nasceram ruins, mal caráteres, com ódio no coração e inveja.”

As Forças Armadas Brasileiras não têm o que temer numa Comissão da Verdade…de verdade.

 Leia na íntegra a Entrevista do Major-Brigadeiro-do-Ar Rui Moreira Lima aqui

%d blogueiros gostam disto: